sábado, setembro 30, 2006

Vou-vos contar uma estória:

Era uma vez um rapaz porreiro (eu) que se dirigia para casa após um extenuante dia no seu local de trabalho, de carro, quando de repente ouve algo como que embater contra a viatura.

"O que terá sido isto?", indaguei. "Será , com certeza, um detrito automóvel." De facto, era.
"Já está no canto da estrada", pensei, constatando o facto através do retrovisor..

Chego a casa, janto, durmo, e só no dia seguinte de manhã, quando me achego ao carro, dirigindo-me para mais um dia de trabalho, reparo que me falta um acessório estético (uma peça plástica) na parte lateral do carro.

Faz-se luz em meu espírito. Não mais indaguei pelo som na noite anterior ouvido, nem pela peça no canto da estrada deixada! A ela me dirigia, certamente, nesta nova manhã, cheia de possibilidades!

Também podia ter parado na noite anterior, mas isso não tinha tido piada nenhuma.

Dirijo-me ao meu local de trabalho. Estaciono. Dirijo-me ao local onde espero encontrar a dita peça. Minhas preces são atendidas (Apesar da falta de convicção. Não sou um fiel, admito-o. Mas o Grande Desígnio providencia a quem se prepara.). Pego na peça e monto-a de novo no seu local de partida.

Digam lá, quantas pessoas conhecem que têm partes do carro a saltar do dito, não se preocupar minimamente, apenas para as recuperar no dia seguinte, intactas, quasi sem mácula, prontas para novas aventuras?

Já agora, aproveitem, que posts onde não insulto pessoas (como, por exemplo, vocês) são raros.
É claro que depois de dizer isto...este post deixa de ser um desses...mas como esse facto me é totalmente indiferente, fica mesmo assim.

Como de costume, qualquer comentário fica sujeito às Regras do Primeiro Post.

1 comentário:

O inconformado disse...

Peças a saltar dum carro não é uma coisa rara (eu próprio já vivi essa experiência aquando o carro onde eu seguia deixou no meio da estrada a panela de escape)... agora haverem pessoas que ouvem qualquer coisa a bater no seu carro e não se indagarem com a possibilidade do carro andar a perder bocados, e sequer nem sairem do carro para constatar o facto...

Neste momento só consigo pensar: há carros que sofrem!